"Autobiografia": Um notável enigma narrativo
Filipa Martins lê excertos de um livro onde José Saramago em vez de ser o autor é o foco, a personagem principal.

José Luís Peixoto teve a ousadia de tornar o único Nobel da literatura português personagem e em "Autobiografia" (Quetzal, 2019) conta-nos a história de um escritor principiante chamado José que é incumbido de escrever a biografia de José Saramago, autor que admira.

Neste encadeado de JosésPeixoto exacerba o paradoxo da literatura que é a diluição entre autobiografia e ficção e o leitor parte para narrativa com a possibilidade em aberto de estar a ler um testemunho real. A opção é sublinhada pelo estilo do escritor e pelos diversos mundos que povoam o romance. Dialogando continuamente com o leitor, oferece-lhe detalhes reais da biografia de Saramago, como a relação com Pilar ou a casa de Lanzarote, facilmente identificáveis, mas mescla-os com alusões extraídas da obra do Nobel, sejam estas personagens ou circunstâncias.

A leitura, extremamente prazerosa, torna-se ao mesmo tempo um estimulante jogo de pistas e de referências. Porém, o grande enigma assola-nos quando fechamos o livro: qual dos Josés é o verdadeiro narrador desta autobiografia? 

26/02/2020 às 12:30

Imagem

Rui Marques

Pós-produção vídeo

Rui Marques

Produtora

Marta Cavaleiro

Autora

Filipa Martins
PUB