No Gambar, o novo restaurante do Cais do Sodré só há pratos de polvo e gambas
O espaço serve três conceitos ao longo do dia: começa com menus executivos ao almoço, passa para jantares e termina como bar.

Se quiser um bife mal passado, um salmão grelhado ou uma corvina assada, não é no novo restaurante do Cais do Sodré, em Lisboa, que os poderá encontrar. No Gambar, as duas as proteínas que monopolizam a carta são o polvo e gambas. Estão nas várias sugestões do menu e também fazem parte da decoração, em dois murais de azulejos criados por um artista português.

“Quando pensei no conceito deste espaço, quis abordar a lógica de um mono produto. É algo com que consegue trabalhar de melhor forma, com maior frescura”, explica à NiT Dimas Cavallo, 45 anos. É o responsável pelo menu do Gambar, mas na cozinha conta com a ajuda de mais uma chef, Joana Forte.

Dimas é ainda chef executivo de um outro espaço, em Paço de Arcos. Foi aí que conheceu o segundo sócio do Gambar, Tiago Drummond, 52 anos. “Sempre fui um foodie. Gosto de comer e beber. Depois de uma temporada na Suíça vim para Portugal onde quis criar negócios na área da restauração. Procurei quem percebesse do assunto e o Dimas foi uma das pessoas a quem me juntei”, conta Tiago.

Leia o artigo completo.

25/11/2021 às 09:30

Jornalista

Adriano Guerreiro

Imagem

Rafael Marques

Editor

Joana Mouta